quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Portas Abertas para Servir

Telescópio de 0,6m e a Serra da Mantiqueira ao fundo
Vista aérea do Observatório Pico dos Dias

O Pico dos Dias, que fica entre os municípios de Brazópolis e Piranguçu, no sul de Minas Gerais, tem 1.864 metros de altitude, e é onde se localiza o Observatório Pico dos Dias. Esse observatório tem 4 telescópios fixos, que são utilizados em pesquisas.

Fotos do OPD



domingo, 20 de novembro de 2011

O pior tipo de oxi

Qual é a droga mais viciante? Cocaína, cerveja ou chocolate? Qual droga causa a pior síndrome de abstinência? Maconha, cigarro ou internet?
Nenhuma dessas. A droga mais poderosa é o oxigênio. Te dá energia, te deixa mais ligado; tem gente que parece que vive para o oxigênio. E esse vício é uma epidemia. Todas as pessoas do mundo são viciadas em oxigênio. Caramba, somos tão dependentes que não paramos de consumi-lo mesmo quando dormimos! O vício é tão presente na nossa sociedade que tem um verbo especial só para ele: respirar.
Quando somos crianças, ainda temos força para tentar nos livrarmos do vício. Quem nunca brincou de "prender a respiração"? É uma tentativa do nosso cérebro de se livrar dessa maldição. As aulas de natação na verdade são clínicas de reabilitação. Quem conseguisse ficar mais tempo sem respirar tinha a maior moral na piscina. Mas não é o suficiente, e o vício nunca vai embora.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Conversa de cadeia

  • Vermelho: FOI ARMAÇÃO! VOCÊS PEGARAM O CARA ERRADO! EU TÔ FALANDO! ME TIRA DAQUI!
  • Azul: Ih, cara, eles não tão nem aí pra você, mano. Na cadeira ninguém é ninguém. Mas fala aí, porque você foi preso?
  • Vermelho: Eu tava andando na Av. Brasil cuidado da minha própria vida, e daí eu tirei 5 e 2. Andei de boa, e parei na esquina pra amarrar os sapatos. Aí já era, quando eu percebi que era a casa de Vá Para a Cadeia era tarde demais. Só ouvi a viatura da polícia chegando. Me tacaram pra dentro da viatura e me jogaram nesse buraco.
  • Azul: Pô cara, meus pêsames.
  • Vermelho: E você, porque veio parar aqui?
  • Azul: O dia tava indo ótimo pra mim. Tinha tirado 3 e 3 e caído numa casa de Sorte ou Revés, e um amigo me pagou 150 reais q ele tava me devendo, cê acredita? Depois, tirei 5 e 5, aproveitei os 150 reais que ele tinha me dado e comprei o Leblon. Mas aí a sorte mudou. Tirei 2 e 2 - eu ia cair bem na casa de Lucros e Dividendos, ganhá 200 pau - mas aconteceu a mesma coisa que você. Apareceu a polícia do nada, e eu vim parar aqui.
  • Vermelho: Sacanagem cara.

Qual é o tamanho de uma ideia?

Uma ideia não começa do nada, e uma ideia não termina assim e pronto acabou. Uma ideia surge da mistura de várias outras, de uma situação única ou de uma conversa casual. Uma ideia também não se dissipa no ar e se torna invisível, como se nunca tivesse existido; ao contrário, ela infecta a mente e contagia outras pessoas: inspira novas ideias.

Uma ideia é uma árvore. Começa com algo tão simples como uma semente. Se encontra uma mente fértil, germina. Espalha raízes para buscar neurônios para crescer, forma um caule para se sustentar, e cria folhas para se atentar para influências externas. Qualquer ajuda é válida.

Passa o tempo. A ideia cresce, e vira algo diferente. Algo maior, mais forte, mais importante. O que era bom entrou, o que era ruim ela ignorou. O tronco forte agora é quase impossível de derrubar. As raízes, bem mais profundas, continuam a procurar, procurar. As folhas agora chegam até o céu. E agora essa árvore dá sementes: novas ideias, só procurando terra fértil para se desenvolver.

A pergunta é, que tipo de terra tem dentro da sua cabeça?

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

O Sonho da Estrada

Mateus Figueiredo
Respirou fundo e gritou.
- SOCOOOOOOORROOOOOOO!
- PARA! PARA! PARA! Para com isso agora!
- Para com isso você! Você mente para mim, me engana, me rouba e agora me sequestra, e não quer que eu reclame? Qual é o seu problema, seu imbecil? O que você tem na cabeça? Eu achei que podia confiar em você! Idiota! - Ela dá um soco no ombro de Sami.
- Você quer só parar de dar chilique por um segundo? Olha à sua volta, sua escandalosa. Olha em volta, e me diz o que isso te lembra.
Ela vira a cabeça, e observa o ambiente. Vê as mesas, as cadeiras, o balcão, o papel de parede alaranjado, um pouco velho e rasgando em algumas partes. Ela olha a grande janela na frente do salão, e reconhece o lugar finalmente. Corre até a janela, e olha para fora, para a estrada de terra. Vê as árvores na beira do caminho, a montanha à direita e a descida à esquerda, e a pequena lagoa lá em baixo. Seus sentimentos de raiva e ódio pelo garoto haviam se transformado em uma bagunça, permeada de tristeza, felicidade, confusão e saudade, quando percebe que estava no mesmo restaurante de tanto tempo atrás.
Dani se vira para ele, incrédula. Seus lábios semi abertos, sua voz sem fala. Seus olhos, meio molhados, abertos mas sem ver. Não acreditava no que estava acontecendo. Seu nariz respirava cada vez mais rápido, devido à emoção.
- É... é...
Sami coloca seu dedo sobre a boca dela, delicadamente.
- É, sim. O Sonho da Estrada.
- Mas isso é impossível.
- E mesmo assim você está aqui.

domingo, 6 de novembro de 2011

Sum quod sum

Eu sou o que eu sou. Isso quer dizer que eu não posso ser aquilo que eu não posso ser, mas eu tenho total poder de me tornar aquilo que eu posso ser.

Confuso? Eu simplifico. Tem certas coisas que eu não posso ser. Desenhista, mágico, australiano. Mas também tem coisas que eu posso ser. Formado em biologia, autor de um livro, pai de família. Sum quod sum quer dizer que eu aceito que eu não posso ser, digamos, piloto de Fórmula 1, e também que eu entendo que eu posso ser professor de uma universidade.

Tem coisas que eu posso fazer, e tem coisas que eu não posso fazer. Mas enquanto eu não tentar, eu nunca vou saber.

Mateus

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Galáxias? Pra quê?

Primeiro havia apenas a Terra. Então Deus pensou “eles vão precisar de ciência” e criou os planetas. Passou-se um dia, e os humanos se tornaram mais e mais curiosos e poderosos. Deus então pensou “eles vão precisar de humildade” e criou o restante do Universo, e deu aos humanos o conhecimento para descobrir seus mistérios e a sabedoria para entender o que eles significavam.
Mateus

domingo, 16 de outubro de 2011

Itajubá - MG

Itajubá, uma cidade de 90 mil habitantes localizada no sul de Minas Gerais, na Serra da Mantiqueira. A cidade foi fundada em 1819, e o seu nome vem do tupi e significa "cachoreira", coisa que a cidade possui várias.
A cidade sofre com o problema das enchentes. O rio Sapucaí, que corta a cidade, e seus afluentes se enchem, e isso causa o alagamento de algumas ruas. A pior enchente ocorreu em 2000, e uma mais recentemente aconteceu em janeiro de 2011.
O ex-predisente Venceslau Bráz, que governou de 1914 a 1918, morou em Itajubá. A sua casa, a Casa Rosada, é tombada e fica na praça central da cidade. Outro edifício histórico é a estação de trem, que recentemente foi reformada e transformada em um museu.
A cidade possui uma universidade federal, a UNIFEI, que já foi eleita a melhor universidade do país, e a Helibrás, a única fábrica de helicópteros da América Latina. Em Itajubá existe um Shopping Center muito pequeno e um cinema que foi inaugurado a poucos meses.





domingo, 18 de setembro de 2011

O Outro

Quem sou eu, me perguntei. Quem sou eu, ora essa. Eu sou eu. Eu sou tudo o que os outros não são. Tudo o que não for eu, outra coisa é. Quem é você? Você é aquilo que sobra quando se tira tudo o que não é você. Se tirarem tudo isso, só sobra eu. E o que antes era só eu, viro tudo. E não dá para tirar mais nada. E eu não mais existe.
  1. Existe corrupção. Ela existe, e não é apenas em um ou outro partido. Ela existe em todos os partidos.
  2. Existem políticos que não são corruptos. Dizer que todo político é corrupto é preconceito. E pior, é abrir mão de um futuro melhor. Porque se todos forem corruptos, nada que a gente faça vai fazer diferença.
  3. A corrupção pode e tem que acabar. Ela tira o dinheiro de quem merece e dá para quem não merece. Enquanto ela existir, nada vai melhorar. Nós temos o poder para fazer com que ela acabe.
"Eu não acredito em partidos, eu acredito em pessoas"

Tem que existir uma associação não-partidária para investigar e punir a corrupção. Temos que enxergar além de partidos.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Mais que uma cama macia

Um hotel é um lugar fantástico. São tantas pessoas, de tantos lestes diferentes, num único lugar. Cada pessoa tem um passado por trás de si. Cada pessoa tem um futuro único. Mas por algum motivo, a trajetória pela vida dessas pessoas se une em um ponto. Essas pessoas que trocam olhares por alguns dias no café da manhã provavelmente nunca mais se verão.
Um hotel é algo que marca, mesmo sendo apenas um detalhe. Ninguém viaja para outro país para ficar o tempo todo dentro do hotel. O quarto de hotel é onde você descansa, e se prepara para o próximo dia. Sem uma boa noite de sono, o dia, por mais incrível que seja, apenas passa.
Cada hotel tem um toque diferente. Chique, grande, tranquilo, desleixado, apertado. Para uma criança, o hotel é uma aventura. Cada corredor desconhecido, cada andar diferente. Cada escadaria é uma aventura.
Em cada viagem que você faça na vida, e impossível não se lembrar de pelo menos uma coisa que aconteceu dentro do hotel. Eu já fiquei em um hotel que tinha vista para o mar e golfinhos nas paredes. Já fiquei em um hotel que tinha uma piscina do lado de uma varanda gelada e um terraço com vista da cidade. Já fiquei num hotel pequeno que não era muito mais que uma dúzia de chalés, e já fiquei num hotel gigantesco o restaurante ficava na praia.
Eu sou um apaixonado por hotéis. Quanto mais eu viajar, em mais hotéis eu vou ficar. E não quero me esquecer de nenhum deles.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Terça-feira Tediosa

Trovoava. Tiago, 13, tossiu. Tinha tarefa: TRÊS trabalhos. Temas? Trombas-d'água, tupis-guaranis, tétano. Tinha tédio. Titubeou: trabalhar? Tsc, tsc. Telefonar trotes. Trouxe telefone, teclou: três três treze trezentos três. Tocou, tocou, tocou...
Túlio, 30, tomava terebintina, tranquilo. Telefone tocou. Teimoso, tateou. Tocou tafetá, tapete, tábua, tarântula... Tarântula!? Temia tal troço tenebroso. Transtornado, tacou tênis. Tirou. Tarântula torcida, transfixada, trêmula. Tragédia? Talvez.
Tiago tentou trocar. Três trinta três, treze trinta. Tocou, tocou, tocou...
Tamires, "teen", tocava trombone. Tinha talento! Trajava tomara-que-caia tingido, tanga tijolo, tiara turquesa, tamanco. Tentara tuba, teclado, tímpano: terrível. Tocava trombone! Tinha
trofeus, transmitia tonalidades transcedentais.
Tarsila, tia, trazia telefone tocando.
-"Thanks", tia. Tamires Turino, tagalere.
-Tamires? Tem tempo? - Tiago tramava.
-Tenho...
-"Tão tá". Tu tens tomate?
Tomate? Tinha, Tamires tinha tomate.
-Tenho - Tamires tolerava tolos.
-Tens também tangerina?
-Tenho, trapalhão.
- Tens trigo? Torrada? Tapioca?
- Talvez tenha.
- Tens tudo!?
-Tá, tenho.
-Tens também trote.
Tamires tinha temperamento tranquilo. Triunfou tal transgressão. Tirou
tiara, trovejou:
-Telefonema tapado.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

What Techers Make, or Objection Overruled, or If things don't work out, you can always go to law school, by Taylor Mali

What Teachers Make, or Objection Overruled, or If Things Don't Work Out, You Can Always Go To Law School by Taylor Mali
He says the problem with teachers is, "What's a kid going to learn
from someone who decided his best option in life was to become a teacher?"
He reminds the other dinner guests that it's true what they say about
teachers:
Those who can, do; those who can't, teach.

I decide to bite my tongue instead of his
and resist the temptation to remind the other dinner guests
that it's also true what they say about lawyers.

Because we're eating, after all, and this is polite company.

"I mean, you're a teacher, Taylor," he says.
"Be honest. What do you make?"

And I wish he hadn't done that
(asked me to be honest)
because, you see, I have a policy
about honesty and ass-kicking:
if you ask for it, I have to let you have it.

You want to know what I make?

I make kids work harder than they ever thought they could.
I can make a C+ feel like a Congressional medal of honor
and an A- feel like a slap in the face.
How dare you waste my time with anything less than your very best.

I make kids sit through 40 minutes of study hall
in absolute silence. No, you may not work in groups.
No, you may not ask a question.
Why won't I let you get a drink of water?
Because you're not thirsty, you're bored, that's why.

I make parents tremble in fear when I call home:
I hope I haven't called at a bad time,
I just wanted to talk to you about something Billy said today.
Billy said, "Leave the kid alone. I still cry sometimes, don't you?"
And it was the noblest act of courage I have ever seen.

I make parents see their children for who they are
and what they can be.

You want to know what I make?

I make kids wonder,
I make them question.
I make them criticize.
I make them apologize and mean it.
I make them write, write, write.
And then I make them read.
I make them spell definitely beautiful, definitely beautiful, definitely
beautiful
over and over and over again until they will never misspell
either one of those words again.
I make them show all their work in math.
And hide it on their final drafts in English.
I make them understand that if you got this (brains)
then you follow this (heart) and if someone ever tries to judge you
by what you make, you give them this (the finger).

Let me break it down for you, so you know what I say is true:
I make a goddamn difference! What about you?

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Dentro


Sociedade. A sociedade é para as pessoas o que um mordomo é para os livros de mistério. Um monte de gente que não sabem realmente o qual é a causa de cada mal que lhes aflige. Não têm conhecimento, interesse ou coragem de apontar o dedo e dizer é você. Você é o culpado do mal. Têm preguiça de pegar a pá e cavar em busca da raíz. Afinal, é muito mais fácil culpar aquilo que todos culpam, aquilo que ninguém sabe realmente o que é. Sociedade. Um conjunto de pessoas reclamando dos problemas que um conjunto de pessoas faz. A roupa suja não se limpa sozinha.


Sociedade. Um monstro de sete cabeças, que pode ser estudado, mas nunca compreendido. De cada ângulo que você olha, uma coisa. Um problema daqui, uma vantagem de lá. A sociedade é como a verdade, ninguém sabe o que ela é.

Talk with Sooyoung, from Korea


You're now chatting with a random stranger. Say hi!
You: Buddy the elf, what's your favourite color?
Stranger: blue
You: like the sky or like the ocean?
Stranger: like the ocean
You: oh, nice choice
Stranger: yeah ☺
You: so, wazzup?
Stranger: nothing special, you?
You: huh
You: i play chess
Stranger: really
Stranger: I think difficult
You: you find a way
You: asl?
Stranger: 16 f korea
You: oh, that's nice
You: im 15 m brazil
Stranger: wow
Stranger: another side
You: yeah, hahaha
You: so, what's your favourite food?
Stranger: Sushi
You: here we eat rice and beans
Stranger: good
You: but we do have a few places where they sell oriental food
Stranger: yeah cool, here don't have places with brazilian food
Stranger: :(
You: too bad

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Pela janela do quarto, tudo enquadrado

"Bom dia", digo automaticamente ao porteiro. "Bom dia, meu caro homem", responde, tão mecanicamente quanto eu, com apenas um sorriso amarelo de diferença.
Chamo o elevador. A porta abre, e o ascessorista sem rosto me eleva até o nono andar. Tiro o casaco e me jogo no sofá. Oito e trinta e sete no meu celular. Desligo a televisão após uma rápida sapeada pelos inúmeros canais, casa qual com seu apresentador de botox no rosto e um vazio no peito. De cada cinco canais, seis estavam nos comerciais: dois de cerveja, três de carro e outros dois de pasta de dente. O rádio é ligado. pelo menos não toca funk no rádio, mas o rap é um lixo quase igual. Desliso os dedos pela prateleira e escolho um CD de Milton Nascimento.
Pego a câmera digital e a penduro no pescoço. Destranco a janela, e a escancaro. Nem sei porque eu sempre a tranco. Quase nunca chove, não há real necessidade dela ficar fechada. Mas dia após dia eu a fecho e passo a chave, só para poder abri-la no outro, e sentir a baforada de ar quente de fora do prédio para dentro da minha sala, passando pelo meu rosto. Escancaro a janela para ver cada vez de novo o rosto das já conhecidas e velhas amigas montanhas, de uma vez. Apago as luzes do apartamento, e apagaria também as da ruas, para melhor ver as estrelas, tão imutável companhia. Fito cada uma delas com paciência e calma, me perguntando se mais alguém está olhando para ela junto comigo. Minha imaginação vagueia.

Pouso os olhos num distante navio. Mal consigo ver as ondas se quebrando na praia, mas vejo o navio, que é tocado pelas mesmas ondas que as dezenas de turistas. "Eles não vão para casa nunca? Não sabem que horas são?"

Uma andorinha mergulha na minha frente e me tira do transe, levando minha atenção aos turistas na rua. Outras dezenas de visitantes, tirando fotografias de tudo. Assim como as singelas estrelas, eles nem imaginam que estão sendo observados.

Tiro uma foto da Lua e vou dormir.

domingo, 26 de junho de 2011

Sonho: Novela Mexicana

Era um belo dia de Sol para ficar ao ar livre. Eu estava sentado ao redor de uma mesa com uma prima de 3º ou 4º grau, daquelas que você só vê em casamentos e em festa de final de ano. Os outros dois lugares eram ocupados por amigas dessa minha prima, que devia ser uns 2 ou 3 anos mais velha que eu, e usava óculos escuros.
Nesse sonho, mais uma vez eu estava apaixonado, e mais uma vez era por uma pessoa desconhecida - uma das amigas da minha prima. O problema é que ela tinha namorado. Mas eu não iria desistir, eu iria lutar por ela.
Eu pedi ajuda pra minha prima, e ela me falou algumas coisas, e me deu um anel. Era completamente preto. Grudado no aro, havia algo que parecia um broche, com alguns detalhes em alto relevo.
-Vai lá e dá o anel pra Tati.
Eu olhei para as duas meninas desconhecidas.
-Qual delas é a Tati?
-Ah que você gosta, né, seu idiota!
-Ah tá.
Eu só estava esperando uma oportunidade de entregar o anel para ela. Mas aí eu comecei a pensar. Porque a minha prima estava me ajudando a conquistar ela, e até tinha me dado o anel? A amiga dela tem namorado! Será que... ela não deve gostar do namorado da amiga... Ou ela gosta demais do namorado da amiga. Caramba, ela só está me usando! Que babaca!
Aí eu acordei.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Fé e razão

Qual a relação entre fé e razão?


Fé e razão não são água e óleo. Podem até brigar de vez em quando, mas no final do dia vão dormir de mãos dadas.


Fé e razão não são motivo para discussão. Fé e razão, juntas, não são mais que uma faceta pouco interessante do indivíduo. Separadas, cada qual é interessantíssima. Cada uma afeta a vida do cidadão por um caminho diferente. Conhecimento, moral, sabedoria, verdade.


Qual é o sentido da vida? Se o seu objetivo nessa Terra for liberdade, poder fazer tudo o que quiser quando bem entender, nenhum desses dois caminhos te levará a ela. A fé te dirá o que não fazer, a razão te dirá por que não fazer. O resultado é o mesmo: você não fará o que vai te fazer mal.


O objetivo máximo na vida é a felicidade. E saber que a felicidade é saber respeitar os limites. Em questão de certo e errado, a fé é a voz da razão. Para chegar a uma conclusão por meio da lógica, você precisa ter alguma experiência a priori. Ou seja, você tem que se ferrar uma vez para não se ferrar mais. A fé te dá uma mãozinha: “cara, não faz isso que você vai se ferrar”.


Tanto fé quanto razão tem um objetivo em comum. Ambas querem descobrir a verdade por trás das coisas, o sentido e a razão de tudo, a resposta para a vida, o universo e tudo mais. Cada uma tem um método diferente. Mas não importa se você acredita que o universo foi criado em 7 dias ou surgiu em uma explosão; se o homem foi criado do barro ou a capacidade neural que temos surgiu através de milênios de mutações. O simples fato de você acreditar em um ou em outro não faz diferença. O que faz diferença é como isso vai afetar a sua vida.


Não é porque um livro te diz que tal coisa é certa ou tal coisa errada que você tem que acreditar piamente nela. Seja esse livro um texto argumentativo da internet ou a Bíblia, é preciso entender que aquilo foi escrito por alguém, para alguém, e por algum motivo. Não é porque as fábulas de Esopo não aconteceram de verdade que elas não podem mudar a vida de alguém. Uma lição de moral pode vir de um livro, um filme ou de uma música.


O mais importante é saber que o jeito de enxergar as coisas muda. Dinossauros não são dragões, a Terra não é o centro do Universo, ratos não brotam de camisas suadas. O que hoje é certo pode ser completamente errado amanhã. Por isso, não vale a pena discutir algumas coisas. Mais vale uma pessoa com um sorriso no rosto do que duas numa discussão.

96 páginas ou 300 giga bytes

O ser humano nasce como um caderno, completamente em branco, ou como um computador, já com o sistema operacional?



Dizem que se o cérebro humano fosse simples o suficiente a ponto de ser entendido, nós seríamos burros demais para poder entendê-lo. Mas mesmo assim, a curiosidade nos impulsiona, nos leva a fazer inúmeras perguntas, mesmo que algumas não tenham resposta.


De onde vem o talento? Como surge a personalidade? Os gostos, as vontades, o QI? Einstein nasceu gênio? Qualquer um pode ganhar o Nobel, ou o Oscar? Um enxadrista pode pintar um quadro, ou um jogador de futebol pode escrever um livro?


Não dá realmente para saber o que faz com que uma pessoa seja diferente da outra. Se as pessoas forem cadernos em branco, o que faz a diferença são as suas experiências. Um caderno vazio pode se transformar em qualquer coisa: um diário, um rascunho para um livro, um caderno de Física ou de Biologia. Cada página em branco tem mil desenhos dentro dela, que só precisam de um pouco de tinta (e um olhar criativo) para se tornarem realidade. Se as pessoas forem cadernos em branco, o que determina o caminho que elas vão seguir são as coisas e pessoas ao redor dela. Uma criança não aprenderia a fazer escolhas se alguém não ensinasse isso para ela.


Todos os computadores saem da fábrica iguais. Um mesmo sistema operacional, que permite que você rode uma série de programas. Mas a partir daí, é o usuário que controla o destino da máquina. Enquanto alguns se contentam com usar o Paint, outros querem o Photoshop. Os escritores usam o Word, os matemáticos usam o Excel, os empresários usam o Power Point. É claro que você pode baixar mais programas – você não pode querer passar a vida inteira sem evoluir – mas eles dependem do sistema básico.


Eu acho que cada um nasce com o seu punhado de sementes. Cada semente é uma coisa: saber dar conselhos, ter talento para trocar algum instrumento, manjar de matemática, ter boa memória, jogar futebol, praticar artes marciais, ler, escrever, desenhar. Essas sementes, essas possibilidades, são parte de quem nós somos. O que fazemos delas é o que define quem vamos ser. Ao longo da vida, essas sementes germinam, e vão gerando cada vez mais frutos. Mas não geram frutos se não estivermos lá para regá-las, adubá-las, protegê-las das pragas.


Todos podem ser poetas. Não é difícil achar duas palavras que rimem e montar alguns versos. Todos podem ser fotógrafos. Segurar firme e apertar um botão é tão rude que chega a ser engraçado ser chamado de vocação. Mas o que faz a diferença é a beleza, é a qualidade do produto. Esforço raramente substituí talento, e o talento é inato.


Se você não pode ter o dom que ama, ame o dom que tem. Não desperdice uma bela voz por que você acha que seria mais fácil escondê-la atrás da timidez. Um dom é um presente, que deve ser protegido e incentivado, que tem que ser usado da melhor maneira possível.


Um caderno tem o limite de 96 páginas, o computador tem o limite de 300 giga bytes. Se for para escolher, prefiro ser um computador.


quarta-feira, 22 de junho de 2011

Grãos de areia

Olhe bem a sua volta. O que você vê? Um quarto, uma sala, um bar, uma biblioteca, um shopping. Quantas vezes você é menor do que esse ambiente? Muitas, provavelmente, principalmente se você for claustrofóbico. Pense quantas vezes o seu quarto é menor do que a sua casa. Quantas vezes a sua casa é menor do que a sua rua. Quantas vezes a sua rua é menor do que o seu bairro, que é menor que a sua cidade, que é menor do que o seu estado, que é menor do que o seu país, que é menor do que o seu planeta.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Nem tudo

Mateus Silva Figueiredo
Acordei com um barulho alto. Era cedo, bem cedo. O dia mal havia raiado, e poucos pássaros cantavam lá fora. Corri para o quarto de Lourenço, de onde o barulho parecia ter vindo, para encontrá-lo no meio de livros no chão, almofadas jogadas, a cama desarrumada. Ele estava ofegante.
- O que você está fazendo?
-Nada! - respondeu, gritando – porque nada disso faz a menor diferença!
Peguei dois livros do chão e os recoloquei na estante.
-Como assim, não faz diferença?
-Não faz! Não importa o que eu faça - disse, visivelmente transtornado, falando cada vez mais alto –porque no final vai dar tudo na mesma.
- Deixa de bobeira e me ajuda a arrumar essa bagunça.
- Não! – gritou, arremessando uma almofada que não me acertou por centímetros – Você não entende, não é? Nada disso é real. Nada. Nada...
Ele olhava em volta, parecendo cansado, inconformado, como um animal encurralado, tentando encontrar uma rota de fuga.
-É lógico que é real!
-Não é, não é, não é!
- Deixa de ser bobo.
- Bobo? Bobo? – Ele gritava cada vez mais alto, beirando o pânico, me fitando com os olhos transbordando de fúria, não de mim, mas do mundo. – É, eu acho que eu sou bobo sim. Eu tenho que ser muito bobo pra ter acreditado em todas as mentiras que já me contaram.
- Mentiras? Mentiras que quem contou para você?
- Quem, ora essa, quem. – Lourenço debochava de mim, sem sair do lugar. Naquele local ele estava seguro, dentro de sua bolha de medo. Se se mexesse, suas defesas cairiam. – Todo mundo! Todas as pessoas dessa droga de mundo! Os professores, os vendedores, os parentes, os colegas de trabalho. Todas as pessoas que cruzam a rua sem fazer a menor diferença. Para que elas passam? Quer saber, não responda. Cada resposta é apenas mais uma mentira.
-Lu...
- E a televisão é a pior mentira de todas. Canal depois de canal, cada um com mais mentiras do que o outro. Todas as pessoas da televisão estão lá para mentir para nós. Elas ganham a vida mentindo! Mentindo!
Só então reparei na televisão, que costumava ficar em cima de uma mesa, derrubada no chão, cercada de cacos de vidro. O metal parecia ter sido socado uma ou duas vezes.
-Eu não entendo...
- É lógico que não entende. De todas as pessoas, porque você entenderia? Não responda. Mas você sabe que é verdade. No fundo, você concorda com todas as coisas que eu disse. Você sabe, você sempre soube. Mas a gente esquece. Eles fazem a gente se esquecer da verdade, sufocam-na com mentiras. Eles escondem a única verdade. A única verdade, é que todo o resto é mentira.
- Lu, olha pra mim. – Me aproximei dele, e segurei suas mãos. Os punhos cerrados se soltaram um pouco, mas a cara continuava franzida. Olhei bem em seus olhos, esfregando as mãos com os polegares. – Esqueça todo o resto. Esqueça, por um momento, todas as outras coisas. Você pode fazer isso, por mim?
Ele olhava para mim, com os olhos cansados, e o rosto já um pouco mais calmo. Dessa vez, quem não entendia era ele.
- Posso – disse, depois de um tempo.
- Feche os olhos.
- Tudo bem.
- Você sente as minhas mãos?
- Que tipo de pergunta é essa?
- Feche os olhos. Apenas responda. Você sente as minhas mãos, nesse exato momento?
- Sim, é claro.
- Você consegue – dizia calmamente – ouvir a minha voz? Esqueça o barulho dos carros na rua, esqueça os pássaros cantando. Você consegue ouvir a minha voz?
- Sim, eu consigo.
Coloquei a mão direita dele em meu peito, sobre o coração.
- Você consegue sentir as batidas do meu coração?
- Sim.
Ele estava bem mais calmo. Me aproximei dele e dei um beijo em sua boca.
- E isso, você sentiu?
- Sim.
- Abra os olhos.
Abriu os olhos devagar, com o olhar de um soldado depois de um longo dia de batalha, feliz com o descanso. Estavam meio molhados.
- Escute. Não importa se não for verdade. Não importa se o mundo for feito de mentiras mal contadas. Não faz diferença se o jornal traz notícias boas ou ruins, se os pássaros cantam ou não, se os professores só mandam a gente decorar mentiras. Eu estou aqui, e você está aqui. Eu te amo, e é só isso que importa. Tá bom?
Ele ficou um ou dois minutos em silêncio, só olhando para mim.
- Eu também te amo.
- Agora o que você me diz de arrumar essa bagunça?
Depois de duas ou três guerras de travesseiro, o quarto estava como antes, com exceção à televisão. Nós dois concordamos que a gente estava precisando ler mais.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Pataxós

Mateus Figueiredo

Habitam seis núcleos de povoamento:

A língua originalmente falada pelos Pataxó não é mais utilizada, tendo sido substituída pelo português. Há algumas palavras emprestadas da tribo Macaxalí, do norte de Minas Gerais, e os índios tendem a reconhecer o Maxacalí como a própria língua. Não há mais a prática de rituais indígenas, e as festas se confundem com o calendário católico da região, onde os índios comemoram as festas de N. Sra. da Conceição e São Sebastião. O posto indígena mantém uma escola que ensina da 4a série até o 1o grau, onde o ensino é o padrão, ignorando as características culturais do povo pataxó.

O território Pataxó se localiza entre as embocaduras dos rios Caraíva e Corumbáu, e é uma área litorâmea com mangues e terrenos arenosos junto à costa, e campos e florestas nas áreas mais interiores.

Os pataxó viviam originalmente em bandos, entre os rios João Tiba e São Mateus ao sul, e Pardo e Contas, ao norte, convivendo com diversas outras etnias.

O Parque Nacional de Monte Pascoal, localizado na cidade de Porto Seguro, é o primeiro lugar do continente avistado pelos portugueses. Atualmente, é uma Unidade de Conservação que reúne diversos ecossistemas, como floresta, restinga, mangue e praia. Possue 22.500ha de área, dos quais apenas 8.720 são destinados aos Pataxós. ALém de ser uma área pequena para as necessidades da tribo, a maior parte dessa área é composta por terrenos impróprios para a agricultura, como brejos.

As atividades econômicas básicas da tribo são a agricultura, a coleta animal e vegetal, a pesca e a caça. Há também a extração vegetal de piaçava e madeira e atividades comerciais. Os principais produtos agrícolas são a mandioca, a cana de açúcar, o milho, o arroz e o feijão. A coleta animal trata-se da extração de crustáceos e mariscos nos mangues. A produção artesanal tem se desenvolvido rapidamente, e está se tornando o principal meio de relação dos Pataxó com o mercado nacional.

A organização social é feita em famílias de cerca de seis pessoas, onde as crianças participam desde cedo das atividades domésticas. A divisão social do trabalho é pouco rígida, mas as atividades que exigem maior esforço são predominantemente masculinas. As tarefas mais complicadas sçai realizadas de forma cooperativa.

O cacique é o representante político do seu povo, servindo de intermediário entre os índios e o resto da sociedade, principalmente a FUNAI. O seu papel na aldeia é exercido com apoio dos chefes das famílias.


Referências

domingo, 1 de maio de 2011

Coleta Seletiva em Itajubá - ACIMAR

Mateus Figueiredo
Em 2007, a Unifei criou a Intecoop, uma Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares, que tem como função ajudar a população a se organizar em associações e cooperativas. A primeira associação criada com a Intecoop foi a ACIMAR, a Associação dos Catadores Itajubenses de Material Reciclável, formada por um grupo de pessoas que trabalhavam no lixão de Itajubá, e tiveram que arranjar outra coisa para fazer quando ele foi fechado.
Além da ACIMAR, a Intecoop também ajudou na formação de vários outros grupos, incluindo um de nutricionistas (Nutrasaúde), de agricultores (APRIR), um de eventos (envolvendo garçons e buffets) e o Recicla Alegre, uma cooperativa de catadores de material reciclado de Pouso Alegre.
A ACIMAR também recebe o apoio da Secretaria do Meio Ambiente da Prefeitura de Itajubá, que cedeu o caminhão utilizado na coleta d
os materiais, e o galpão em que os materiais são separados e prensados. A Intecoop ajudava a ACIMAR com um assistente social pra ajudar na organização; um contador pra fazer a contabilidade da associação; um psicólogo e um grupo de professores e alunos para auxiliar os catadores, realizando reuniões, ajudando na escolha dos equipamentos e na rota de coleta. Foi a Intecoop que realizou as articulações com a prefeitura.
Atualmente a ACIMAR é formada por 25 pessoas, homens e mulheres com em média 30 anos de idade. Eles se dividem em dois grupos: um que saí à rua, e outro que fica no galpão para a triagem dos materiais. Cada pessoa ganha em média de 400 a 500 reais por mês, dependendo dos dias trabalhados por ela. A ACIMAR trabalha de segunda à sexta, passando por uma rota diferente a cada dia. Como o caminhão não pode ir a todos os bairros, ele tem que priorizar os em que há maior quantidade de material reciclado para recolher.
Em 2009 e 2010, a ACIMAR foi beneficiada pelo ProExt, o Programa de Extensão do MEC. Somados, os dois projetos beneficiaram a ACIMAR com 77 mil reais, que for
am convertidos na compra de equipamentos para processamento dos materiais e de segurança. Foram compradas luvas, botas, protetores auriculares, capacetes, balanças e prensas.
Os catadores saem em busca principalmente de garrafas PET, sucata, papel, papelão e garrafas de vidro. Também há uma coleta de óleo de cozinha usado em bares e restaurantes, que é vendido para ser transformado em biodiesel.
Os principais problemas da ACIMAR são a falta de estrutura, eventuais conflitos entre as pessoas e a alta rotatividade dos membros (todos
os meses há gente saindo e entrando). O lixo orgânico misturado com o reciclável também é um problema, porque os catadores acabam levando lixo para o galpão, o que atrapalha o processo e junta insetos.
Segundo a tecnóloga em cooperativismo Heloisa Coutinho, que faz parte da Intecoop, a população devia colaborar mais com os catadores. “Basta separar o lixo e lavar as embalagens recicláveis. Só de você deixar a embalagem na pia, a água que cai já ajuda a lavá-la,” ela diz.
Também há algumas atividades extras para
os membros da ACIMAR. Esporadicamente, há aulas de artesanato, um time de futebol e um grupo de canto coral. O coral já se apresentou no Anfiteatro Albert Sabin, na Faculdade de Medicina, e no Natal no Campus, na UNIFEI. Os membros da ACIMAR também têm dado palestras em escolas sobre a coleta seletiva e reciclagem.

Sonho: Megastore, Thoska e Fantasia

Eu estava na casa da minha vó. Fui para o quartinho brincar com a Thoska, a poddle da minha vó. O quartinho estava escuro como antes de ser reformado. Eu cheguei lá e ela estava em cima da mesa, mas algo estava diferente. Ela estava paralisada, olhada para frente, e tinha quase um quarto do tamanho atual - eu conseguiria erguê-la com uma mão. Eu olhei para ela, ela se mexeu e parecia agressiva. Eu saí e fui falar com o meu vô. Ele falou alguma coisa sobre ela não comer a 5 dias.

Depois, por algum motivo, eu precisava arranjar uma fantasia, e precisava ajudar umas outras pessoas a fazer o mesmo. Por um instante, o quartinho virou uma megastore. Mas, em vez de porcurar fantasias propriamente ditas, eu resolvi ir procurar fios, mas acabei deixando para lá.

Mais tarde, eu achei um armário cheio de cobertores e outros tecidos. Eu falei para os dois caras que estavam comigo "a gente podia usar isso para fazer a fantasia" mas eles falaram que já tentaram e não deu certo.

No final, eu acabei arranjando uma fantasia padrão e teve um desfile em formação de 4 meninas (com a mesma fantasia) e 3 meninos (também com a mesma fantasia). Foi esquisito.



Perfeito faremos direito o nó


Uma horinha apertado no ônibus, compatilhando o corredor com mochilas e caixas de patrulha, cantando músicas bobinhas, a maioria desconhecida para mim. O ônibus para. Uma porteira com três faixas coloridas marcam a entrada.


É sempre incrível chegar num lugar novo. Dá vontade de simplesmente sair correndo, sentir o vento na cara e os cheiros do lugar. Ir correndo, sem olhar para trás, sem se importar se os outros olham para você com desaprovação ou correm atrás. Infelizmente, a caixa de patrulha não deixou eu realmente sair correndo de uma vez. Não faz mal. Empilhamos as mochilas num canto, e eu não paro de olhar para os lados, ouvindo o som da correnteza ao longe.


Eu estou no meio do nada, me lembro de ter pensado. Todos os meus colegas estão em casam provavelmente dormindo, e eu aqui no meio do nada. Chega a ser engraçado. Acordei às 6 horas num feriado, pra ficar uma hora apertado em um ônibus e vir parar no meio do nada. Mas aí eu percebi que aquilo não era o meio do nada. Aquilo era o meu tudo. As montanhas, o céu azul, as árvores, a grama plana e uniforme. É assim que devia ser. A cidade é desnecessária. Isso aqui é que é real. O seu meio do nada é o meu centro de tudo. Cara, esses três dias vão ser perfeitos.


O primeiro dia foi de trabalho cansativo. Um trabalho que a maioria das pessoas passaria a vida sem saber que era cabível fazer: construir os banheiros. Duas escavadeiras, uma para a latrina e uma para cavar os buracos dos bambus; um esqueminha de onde colocar os bambus, sisal e toldo para as paredes. O resto, a gente tinha que se virar. "Sênior tem que ralar", foi o que me disseram. Bom, pode até ter demorado, mas até o fim do dia os dois estavam prontos. E quando a gente finalmente achou que ia ter um descanso, fomos montar as barracas.


Acabamos de montar as barracas, já tinha anoitecido e eu não tinha tomado banho. Se lavar num chuveiro improvisado com água de mina no frio já é complicado, ainda mais se tá de noite e vc tem que ficar procurando o sabonete no barro toda vez que você deixa ele cair. Mas no segundo dia eu já tava esperto: tomar banho bem antes do sol se por.


Eu passo pela ponte perto da escola, e nunca deixo de olhar para o horizonte. Cada dia o pôr do sol está mais bonito. Mas eu nunca imaginava que aquele rio barrento poderia me trazer tanta diversão, até o acampamento nos Freires. Só de ver a correnteza leve já era uma delícia, subir o rio foi ainda melhor. Foi difícil, sim, e complicado. Ficamos um bom tempo parados tentando descobrir como avançar (ainda bem que levamos a corda). Depois, um treinamento de orientação em cima de uma pedra. Tivemos que falar alto por causa do barulho da correnteza, mas deu para entender bem. Voltamos encharcados.


No terceiro dia, montamos o campo ao redor das barracas. De novo, nada além de vagas instruções do chefe, bambus que havíamos cortado no dia anterior, uma escavadeira (a outra tinha quebrado), um facão, uma marreta e bastante sisal. Depois de firmados os bambus, passamos sisal por eles (fazendo um X para ficar mais original), erguemos o portal (bem simples também) e a bandeira do ramo sênior (sem a flor de lís, só um pano roxo mesmo). O triste foi no final do dia, quando tivemos que, em 10 minutos, desmontar o que levamos algumas horas para concluir.


Os dias foram cansativos, e se você pensa que à noite nós dormimos cedo para uma boa noite de sono, não poderia estar mais enganado. Primeiro, porque seria impossível ir dormir sem dar uma boa olhada no céu estrelado e todo o firmamento sorrindo para você. No primeiro dia eu vi duas estrelas cadentes e um satélite, e no segundo, um outro satélite.


Mais tarde, depois da janta, fomos para uma caminhada noturna. Um pequeno trecho da estrada de terra, e depois entre dois pastos, até que nós chegamos numa ponte. Uma ponte que mal dava para uma pessoa, feita de cabo de aço e duas tábuas para pisar, uma do lado da outra. Até aí tudo bem, até a parte em que não tinha tábua de um lado e a ponte virava quase 45º - e o melhor: os chefes nunca tinham passado por ela antes. A primeira vez era aquela, de noite. Depois de atravessado o rio, subimos uma montanha para localizar o cruzeiro do Sul e passarmos o significado do nome (ele sempre fica no sul) para o resto da seção.


No último dia, entramos na água gelada. Alguns ficaram na hidromassagem natural criada pelas pedras, outros fizeram um castelo de areia numa ilhazinha no meio do rio. Uma lobinha pegou umas pedras verdes, bonitas, e outro lobinho foi enterrado na praia. Eu preferi ficar boiando, sendo levado pela correnteza, e depois repetir o processo. Mais tarde, saímos na margem do rio, e eu sozinho enchi um saco de lixo com garrafas PET, inseticidas, garrafas de óleo, arames, isopores e outras tralhas.


O Fogo de Conselho foi perfeito. Depois as esquetes, a canção da despedida. Não sabia cantar, mas deu para entender o espírito. Eu acho que sabia que não seria mais o mesmo depois daquele acampamento.


No último dia, corremos sem precisar. Mal acordamos, já fomos arrumar as mochilas, desmontar as barracas, derrubar os banheiros, tampar as latrinas e recolher os toldos (que quase não couberam na caixa de patrulha). O ônibus demorou, mas antes ele estar atrasado e termos que esperar uns 20 minutos do que adiantado e termos que esperar algumas horas até o próximo. A volta também foi recheada de músicas, dessa vez eu já conhecia algumas.


Não sei se existe esse termo, mas eu acho que no dia da volta - a Páscoa - eu devo ter ficado com um pouco de DPA - Depressão Pós-Acampamento - mas passou logo. Se o acampamento foi bom, voltar para a casa para a família foi tão bom quanto.


Pra que perder a esperança, se há tanto querer?
Bem cedo junto ao fogo tornaremos a nos ver.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

ACIMAR - Conta rápida

ProExt 2009 e 2010: R$ 77 mil.
Pessoas na ACIMAR: 25.
"Renda" mensal média: R$ 400.

ProExt/Pessoas/"Renda"
77000/25=3080/400=7,7.
O dinheiro do ProExt = 7,7 meses de trabalho da ACIMAR.

Pessoas x Renda
25*400=10.000
A ACIMAR gera R$10.000/mês.

terça-feira, 5 de abril de 2011

1- Título "As Setes Maravilhas do Mundo Antigo"
2- Nome da Maravilha pesquisada pela equipe
3- Imagem da Maravilha
A partir do 4:
  • O que é (descrição)
  • Como foi construída (história)
  • Por quê
  • Três dados curiosos
-Conclusão.
-Referências.

sábado, 2 de abril de 2011

Eu Sou Consciente

  1. Problemas na paisagem da sua cidade (29/03)
  2. Leis e medidas para diminuição do impacto ambiental do Brasil e do mundo (10/04)
  3. Pesquisa da coleta seletiva da sua cidade (10/04)
  4. Pesquisa em lojas sobre a distribuição de sacolas plásticas (25/04)
  5. Apresentação e medidas para conscientização por gráficos (25/04)
Sites:

Zeus da Disney




Info sobre índios

Povos Indígenas da Mata Atlântica
  • Potiguara
  • Cambiuá
  • Pancararu
  • Xocó
  • Kiriri
  • Pataxó
  • Xacriabá
  • Maxacali
  • Guarani
  • Xoclengue
  • Caingangue
Manual do Índio do Papa Capim, pág. 173.

Tribos de índios brasileiros
  • Maxakali - MG
  • Kaingang - SP ao RS
  • Pankararé - BA e ES
  • Pataxó - BA
  • Potiguara - PB
  • Sabanê - PB
  • Teréna - SP
  • Tupinikin - ES
  • Tuxá - BA
  • Xikrin - PA
  • Xokléng - SC
Folheto da União dos Escoteiros do Brasil.

Famílias Linguísticas
  • Região Sul: Tupi e Jê.
  • Sudeste: Tupi e Grupos Isolados
  • Nordeste: Cariri, Tupi e Grupos Isolados
  • Norte: Cariba, Aruaque, Tupi, Jê, Pano e Grupos Isolados.
  • Centro-Oeste: Aruaque, Jê, Tupi, Cariba e Grupos Isolados.

Geoatlas, Maria Elena Simielli, pág. 115.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Imagens da Estátua de Zeus


Statue of Olympic Zeus, 1954. Salvador Dali

Statue of Zeus at Olympia

Statue of Zeus at Olympia

Statue of Zeus at Olympia

Sites

Plantas medicinais


O chá das folhas de espinheira-santa (Maytenus icifolia)
combate gastrites e úlceras gástricas ou duodenais.


A carqueja (Baccharis trimera) é um importante medicamento para
problemas do fígado, e é muito utilizado para combater febres,
gripes e problemas intestinais.

Chapéu de couro
O chapéu-de-couro (E. grandiflorus e E. macrophillus) tem diversas funções.
É utilizado como anti-reumática e diurética, contra inflamação de pele e de garganta, reumatismo, artrite, sífilis,. laxante, depurador do sangue,
eliminador de ácido úrico e até laxante.

Folha da erva-mate
A erva-mate (Ilex paraguariensis) era utilizada pelos índios
em jornadas, aumentando a resistência, reduzindo a fadiga, fome e sede.
Facilita a digestão e é muito utilizada para doenças da bexiga.

Imagens

quarta-feira, 23 de março de 2011

Que Ana? Que onda?

A proposta dessa redação de Filosofia era "O ser humano é como uma onda no mar?"

Mateus Silva Figueiredo

Cada pessoa que olha para o mar vê uma coisa. Alguns vêem o oceano, alguns vêem a praia, alguns vêem os pássaros e outros vêem os peixes. Alguns vêem conchas para colecionar, outros vêem fotos para tirar. Enquanto uns vêem as ondas para surfar e se divertir, outros vêem a maré para pescar e ganhar a vida.

O mesmo mar que encanta é o mar que destrói. O mar diverte, o mar relaxa, o mar hipnotiza, mas ele não deixa de ser o mesmo mar que aterroriza e que causa devastação. O mar afoga os mais descuidados, destrói os castelos de areia mais próximos da água, derruba diques e dizima cidades. A mesma onda que faz cócegas nos pés descalços do casal de namoradas pode ter feito alguém passar mal em alto mar e vomitar.

As pessoas também são assim, ambíguas. Todas as pessoas têm um lado obscuro, um passado que gostariam de esconder. Todos nós erramos, todos nós mentimos, todos nós fazemos escolhas ruins, e muitas vezes nos arrependemos logo depois. Cada pessoa é a coisa mais importante para si mesmo, mas não é quase nada para todas as outras. Você cruza com milhares de pessoas na rua, mas raramente olha duas vezes para qualquer uma delas. Cada uma é única, especial, diferente de todas as outras. Mas, no meio de tantos indivíduos, ficam todos iguais. Você se mistura na multidão e se torna apenas mais um.

Qual é a diferença entre uma onda e outra? São tantas mil no oceano, porque alguma delas deveria ser especial? Se você olha de cima, nenhuma faz diferença. Mas se você é o menino que estava brincando na água, aquela onda importa. Adrenalina, desequilíbrio, susto, medo, e depois o riso. Aquela onda causou diversão em você. Se você é o caranguejo que passeava na praia, aquela onda importa, e se você é o albatroz que ia mergulhar e devorar aquele caranguejo, aquela onda importa. Aquela onda foi, ao mesmo tempo, a salvação de um e o empecilho de outro.

Do mesmo jeito, se você olhar de cima, poucas das quase 7 bilhões de pessoas realmente importa. Mas se você é o amigo que sai todos os dias para se divertir, ou se você é o colega que faz brincadeiras maldosas, você faz a diferença. Se você é o cachorro que recebe carinho de alguém, esse alguém é importante, e se você é a árvore que foi plantada por alguém, esse alguém é importante. Mas se você mora do outro lado do mundo, ou mesmo se você cruza na rua com essa pessoa e nem sorri na direção dela, você não faz diferença.

As ondas surgem em alto mar, forjadas com o sopro de uma tempestade, e caminham em sua rota em direção a praia. As pessoas nascem, sejam elas fruto de um casamento amoroso, de uma imprudência adolescente ou de uma solteirona de quarenta anos. As ondas ganham dimensão, ficando cada vez maiores, e consequentemente, mais poderosas. As pessoas crescem, vão ficando mais sábias, mais ricas, e também mais velhas. As ondas, já tão grandes quanto poderiam ficar, chegam finalmente à praia; quebram no litoral e cumprem então finalmente o seu destino, o motivo da sua existência. As pessoas, já tão ricas e sábias quanto poderiam ficar, chegam finalmente ao fim de suas vidas, deixando suas riquezas acumuladas para seus herdeiros, e sem saber verdadeiramente se aproveitaram realmente a vida como deveriam.

quinta-feira, 3 de março de 2011


Original
Eeveelutions
Legendary
beasts