domingo, 20 de novembro de 2011

O pior tipo de oxi

Qual é a droga mais viciante? Cocaína, cerveja ou chocolate? Qual droga causa a pior síndrome de abstinência? Maconha, cigarro ou internet?
Nenhuma dessas. A droga mais poderosa é o oxigênio. Te dá energia, te deixa mais ligado; tem gente que parece que vive para o oxigênio. E esse vício é uma epidemia. Todas as pessoas do mundo são viciadas em oxigênio. Caramba, somos tão dependentes que não paramos de consumi-lo mesmo quando dormimos! O vício é tão presente na nossa sociedade que tem um verbo especial só para ele: respirar.
Quando somos crianças, ainda temos força para tentar nos livrarmos do vício. Quem nunca brincou de "prender a respiração"? É uma tentativa do nosso cérebro de se livrar dessa maldição. As aulas de natação na verdade são clínicas de reabilitação. Quem conseguisse ficar mais tempo sem respirar tinha a maior moral na piscina. Mas não é o suficiente, e o vício nunca vai embora.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Conversa de cadeia

  • Vermelho: FOI ARMAÇÃO! VOCÊS PEGARAM O CARA ERRADO! EU TÔ FALANDO! ME TIRA DAQUI!
  • Azul: Ih, cara, eles não tão nem aí pra você, mano. Na cadeira ninguém é ninguém. Mas fala aí, porque você foi preso?
  • Vermelho: Eu tava andando na Av. Brasil cuidado da minha própria vida, e daí eu tirei 5 e 2. Andei de boa, e parei na esquina pra amarrar os sapatos. Aí já era, quando eu percebi que era a casa de Vá Para a Cadeia era tarde demais. Só ouvi a viatura da polícia chegando. Me tacaram pra dentro da viatura e me jogaram nesse buraco.
  • Azul: Pô cara, meus pêsames.
  • Vermelho: E você, porque veio parar aqui?
  • Azul: O dia tava indo ótimo pra mim. Tinha tirado 3 e 3 e caído numa casa de Sorte ou Revés, e um amigo me pagou 150 reais q ele tava me devendo, cê acredita? Depois, tirei 5 e 5, aproveitei os 150 reais que ele tinha me dado e comprei o Leblon. Mas aí a sorte mudou. Tirei 2 e 2 - eu ia cair bem na casa de Lucros e Dividendos, ganhá 200 pau - mas aconteceu a mesma coisa que você. Apareceu a polícia do nada, e eu vim parar aqui.
  • Vermelho: Sacanagem cara.

Qual é o tamanho de uma ideia?

Uma ideia não começa do nada, e uma ideia não termina assim e pronto acabou. Uma ideia surge da mistura de várias outras, de uma situação única ou de uma conversa casual. Uma ideia também não se dissipa no ar e se torna invisível, como se nunca tivesse existido; ao contrário, ela infecta a mente e contagia outras pessoas: inspira novas ideias.

Uma ideia é uma árvore. Começa com algo tão simples como uma semente. Se encontra uma mente fértil, germina. Espalha raízes para buscar neurônios para crescer, forma um caule para se sustentar, e cria folhas para se atentar para influências externas. Qualquer ajuda é válida.

Passa o tempo. A ideia cresce, e vira algo diferente. Algo maior, mais forte, mais importante. O que era bom entrou, o que era ruim ela ignorou. O tronco forte agora é quase impossível de derrubar. As raízes, bem mais profundas, continuam a procurar, procurar. As folhas agora chegam até o céu. E agora essa árvore dá sementes: novas ideias, só procurando terra fértil para se desenvolver.

A pergunta é, que tipo de terra tem dentro da sua cabeça?

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

O Sonho da Estrada

Mateus Figueiredo
Respirou fundo e gritou.
- SOCOOOOOOORROOOOOOO!
- PARA! PARA! PARA! Para com isso agora!
- Para com isso você! Você mente para mim, me engana, me rouba e agora me sequestra, e não quer que eu reclame? Qual é o seu problema, seu imbecil? O que você tem na cabeça? Eu achei que podia confiar em você! Idiota! - Ela dá um soco no ombro de Sami.
- Você quer só parar de dar chilique por um segundo? Olha à sua volta, sua escandalosa. Olha em volta, e me diz o que isso te lembra.
Ela vira a cabeça, e observa o ambiente. Vê as mesas, as cadeiras, o balcão, o papel de parede alaranjado, um pouco velho e rasgando em algumas partes. Ela olha a grande janela na frente do salão, e reconhece o lugar finalmente. Corre até a janela, e olha para fora, para a estrada de terra. Vê as árvores na beira do caminho, a montanha à direita e a descida à esquerda, e a pequena lagoa lá em baixo. Seus sentimentos de raiva e ódio pelo garoto haviam se transformado em uma bagunça, permeada de tristeza, felicidade, confusão e saudade, quando percebe que estava no mesmo restaurante de tanto tempo atrás.
Dani se vira para ele, incrédula. Seus lábios semi abertos, sua voz sem fala. Seus olhos, meio molhados, abertos mas sem ver. Não acreditava no que estava acontecendo. Seu nariz respirava cada vez mais rápido, devido à emoção.
- É... é...
Sami coloca seu dedo sobre a boca dela, delicadamente.
- É, sim. O Sonho da Estrada.
- Mas isso é impossível.
- E mesmo assim você está aqui.

domingo, 6 de novembro de 2011

Sum quod sum

Eu sou o que eu sou. Isso quer dizer que eu não posso ser aquilo que eu não posso ser, mas eu tenho total poder de me tornar aquilo que eu posso ser.

Confuso? Eu simplifico. Tem certas coisas que eu não posso ser. Desenhista, mágico, australiano. Mas também tem coisas que eu posso ser. Formado em biologia, autor de um livro, pai de família. Sum quod sum quer dizer que eu aceito que eu não posso ser, digamos, piloto de Fórmula 1, e também que eu entendo que eu posso ser professor de uma universidade.

Tem coisas que eu posso fazer, e tem coisas que eu não posso fazer. Mas enquanto eu não tentar, eu nunca vou saber.

Mateus