terça-feira, 17 de setembro de 2013

Joio e Trigo

(Mateus 13:27-30)
Naquele tempo...
Servos: Ô Senhor, cara, você não tinha plantado semente boa no campo? Tem um monte de joio crescendo junto lá.
Senhor: Droga. Foi algum babaca que fez isso ae.
Servos: Saquei. Que chato. Quer que a gente vá lá e arranque?
Senhor: Não, cara. Vocês são burros. Se vocês forem fazer isso vcs vão acabar arrancando um monte de trigo junto. Deixa os dois crescerem que depois eu falo pros ceifeiros separarem o joio do trigo, porque vocês não sabem fazer isso não.

Sabe aquela velha história de julgar os outros? Você pode ser o cara mais sabido, mais estudado, mais fino, mais ético e moral, mas ainda é humano. A sua função não é separar o joio do trigo, ainda mais porque você não tem a capacidade de fazer isso. A sua função é outra. A sua função é ajudar, conversar, ensinar, trabalhar, semear. Não separar.
Adão comeu a maçã e desde então acha que sabe o que é bom e o que é mau. Acha que tem direito de julgar os outros. Acha que sabe qual comportamento é aceito por Deus e qual não é. Mas não sabe. E nem você.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

(Trecho do livro Maya, de Jostein Gaarder)
— O espírito universal fala sozinho porque só há um espírito universal.
— E qual é o nome desse espírito?
— Você mesmo. (Jostein Gaarder. Maya, pág. 208)

Mundo

(Trecho do livro Maya, de Jostein Gaarder)

— Bobagem. Você não tem a menor idéia do que estou falando. Não estava lá...
Eu estou em toda parte, Frank. Só existe um eu.
— Faça-me o favor de parar já com essa besteira!
— Só acabo de expressar o enunciado mais simples e mais óbvio do Universo.
— E qual é esse enunciado?
Só existe um mundo.
— De acordo. Só existe um mundo.
E esse mundo é você.
— Pare com isso.
Você vai ter que cortar as amarras do eu. Não pode, pelo menos, tentar tirar os olhos do seu umbigo e olhar para fora, para a natureza que o rodeia? Olhar para essa cachoeira ininterrupta de realidade mágica?
— Tento olhar.
— E o que vê?
— Vejo um coqueiral no hemisfério sul.
— É você.
— Depois vejo Ana sair nua da banheira sob a cachoeira Bouma.
— É você.
— Reconheço a cabeça dela, mas não o corpo.
— Concentre-se.
— Vejo um planeta vivo.
— É você.
— Depois vejo um Universo aterrorizante com bilhões de galáxias e amontoados de galáxias.
Tudo isso é você.
— Mas quando olho para o Universo, olho também para trás, para a história do Universo. Na realidade, estudo acontecimentos que têm até bilhões de anos. Muitas das estrelas para as quais olho, e no instante em que olho para elas, já se transformaram há tempo em gigantes vermelhas ou em supemovas. Algumas já se transformaram em anãs brancas, raivosas estrelas de nêutrons e buracos negros.
— Você está contemplando seu próprio passado. É isso que se chama memória. Tenta lembrar de alguma coisa de que se esqueceu. Mas tudo é você.
— Sou um sistema caótico de luas e planetas, asteróides e cometas.
— Tudo é você, porque só há uma realidade.
— Mas eu lhe disse que estava de acordo com isso.
— Só há uma substância, só há uma matéria.
— E sou eu?
— É você.
— Então não sou pouca coisa.
— Só se você conseguir se dar conta disso, se conseguir se entregar.
— Correto. E por que é tão difícil assim?
— Porque você não quer renunciar ao seu pequeno eu, é simples.
— Até as soluções simples podem ser difíceis de levar a cabo. Por exemplo, é muito simples se suicidar.
— Você não é tão primitivo.
— Primitivo?
— Além do mais, isso supõe que você tenha um ego a perder.
(...)
— De certo modo, você vai ter que morrer. Tem que cometer esse pequeno ato ousado.
— Mas você não acabou de dizer que essa não seria a solução?
— Quando falo que vai ter que morrer, falo em sentido figurado. Não é você que tem que morrer. Essa idéia ampla demais de um “eu” é que tem que morrer.
— Estou fazendo uma confusão tremenda com o uso que você faz dos pronomes pessoais.
— Pode ser. Talvez precisemos de um novo pronome.
— Tem alguma sugestão?
— Com certeza já ouviu falar do pluralis majestatis.
— Claro. É quando um rei ou um imperador fala de sua excelsa pessoa denominando-se “nós”. Plural majestático, é assim que se chama.
— Acho que além dele necessitamos de um singular majestático.
— Para quê?
— Ao dizer “eu”, você apenas se aferra a uma idéia do ego que ainda por cima é falsa. Tente pensar em todo este planeta e, além disso, em todo o Universo de que este planeta é uma parte orgânica.
— Estou tentando.
— Pense em tudo o que você é.
— Estou pensando em tudo o que sou.
— E em todas as galáxias, em tudo o que explodiu há quinze bilhões de anos.
— Sim, em tudo.
— Então diga “eu”.
— Eu.
— Foi difícil?
— Um pouco. Mas foi divertido também.
— Pense em tudo o que você é. Depois diga em voz alta: “Isto sou eu!”.
— “Isto sou eu”...
— Não achou libertador?
— Um pouco.
— É porque você empregou a nova forma, singularis majestatis.
— Não diga!
— Acho que você está no caminho certo, Frank. (Jostein Gaarder. Maya, pág. 202-206)

Maya

(Trecho do livro Maya, de Jostein Gaarder)

— Deixemos tudo isso de lado, deixemos de lado os smokings e os banquetes, a maquiagem e os alfinetes de gravata, os depósitos bancários e os espelhos barrocos na lareira, deixemos de lado, quer dizer, tudo isso com que nos decoramos em contextos sociais, sobram-nos dois, dez anos ou, na melhor das hipóteses, algumas décadas de vida nesta Terra. Existem, pois, em geral, algumas perspectivas existenciais que dizem respeito a todos nós, embora falemos muito pouco delas. Proponho, portanto, que esta noite tentemos prescindir de nossos interesses e afazeres arbitrários, e nos concentremos em algo que diz respeito a nós todos. Certamente porque lembrei da conversa com Gordon na noite anterior, escapou-me:
— O Universo, por exemplo.
Só devo ter murmurado, porque John perguntou:
— O que disse esse senhor?
— Por exemplo, o Universo — repeti.
— Excelente, excelente. Temos uma proposta de, esta noite, centrar a conversa no Universo.
(...)
Chegou a vez de Laura, que não escondeu que grande parte da inspiração para sua visão de mundo era alimentada pela filosofia hindu, sobretudo pelas seis escolas ortodoxas chamadas vedanta, melhor dizendo, keval-advaita, expressão que vinha do filósofo Shankara, que viveu na índia no início do século IX. Keval-advaita significa “não-dualismo absoluto”, esclareceu Laura. Proclamou que só existe uma realidade e que os hindus a batizaram de brahman ou mahatma, que significa “alma universal” ou, numa tradução mais direta, “a grande alma”. Brahman era eterno, indivisível e imaterial. Desse modo, todas as perguntas feitas por John receberam resposta, e apenas uma resposta, já que brahman era a resposta a todas as perguntas feitas.
— Deus nos livre, Laura — suspirou Bill, que havia sustentado um otimismo científico bastante ingênuo.
Mas Laura não se alterou. Explicou que toda pluralidade não passava de aparência.Quando no dia a dia percebemos o mundo como algo variado e plural, isso se deve unicamente a uma miragem, falou, ou ao que os hindus durante milhares de anos vêm chamando de maya. Porque não é o mundo exterior, visível e material que é real.
Esse mundo não passa de uma ilusão onírica, e certamente real para os que estão presos em sua rede. Mas, para o sábio, o mundo real é brahman, a alma universal.
A alma humana é idêntica ao brahman, explicou, e quando entendemos isso, desaparece a ilusão da realidade exterior. Então a alma se toma brahman, o que na realidade sempre foi, mas sem que soubéssemos.
— Ela disse a última palavra — afirmou John.
— O mundo exterior não existe, e toda pluralidade não passa de aparência.
(...)
— Cremos que somos nove almas sentadas em tomo de uma mesa — precisou Laura. — Isso se deve a maya. Na realidade, somos facetas da mesma alma. E a ilusão maya que nos faz crer que os outros são distintos de nós, por isso não devemos ter medo da morte. Não existe nada que possa morrer. A única coisa que desaparece quando morremos é a ilusão de estarmos separados do resto do mundo, da mesma maneira que pensamos que o que sonhamos está separado da nossa alma.
(...)
— Existe uma realidade fora desta. Quando eu morrer, não terei morrido. Todos acreditarão que morri, mas não estarei morta. Logo voltaremos a nos encontrar em outro lugar. (...)
— Vocês vão pensar que foram a um funeral, mas na realidade irão assistir a um nascimento. (...)
— Há alguma coisa fora disto — insistiu. — Aqui não somos mais que espíritos efêmeros, que estão de passagem. (Jostein Gaarder. Maya, pág. 184-197)

domingo, 23 de junho de 2013

Jornal de campanha de Rodrigo Riera

Esse é o jornal de campanha de Rodrigo Riera, atual prefeito de Itajubá - MG. Entre as promessas estão coisas fáceis, como instalar lixeiras nas cidades e promover atividades nas escolas aos finais de semana, e coisas difíceis, como diminuir a taxa de iluminação pública e rever contratos com a empresa de ônibus Valônia e a Copasa, que fornece água para a cidade.
Com essas promessas, ele foi eleito. Agora é a nossa vez de cobrar. Ele está há apenas 6 meses no cargo, mas se não cobrarmos desde já, ficaremos na mão. Será que já há um planejamento para tornar realidade todas essas promessas?



segunda-feira, 29 de abril de 2013

Querida nostalgia


Querida nostalgia, eu não quero mais te ter.
O de ontem alegria hoje só me faz doer.
Querida nostalgia, até logo até mais ver.
Quero no meu dia-a-dia menos dor e mais prazer.
Querida nostalgia, mande um beijo pra mim mesmo.
Diga que sinto saudades e que tudo de bom desejo.

Se não fosse for mim mesmo não seria hoje quem sou. 
E por isso vale a pena tudo o que a gente passou.  
Diga a ele que havia algo que eu não podia ver.
Algo que só com o tempo fez melhor em florescer.

 Fale pro meu eu passado não ter pressa em crescer.
Mas também não vale a pena nenhum medo ele ter.
Querida nostalgia, só foi bom porque durou
O que se esqueceu num dia foi porque não agradou
Você muito me alivia ao dizer que já passou.

 Querida nostalgia, o seu tempo acabou.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

O Ovo


Escrito por Andy Weir
Traduzido por Carlos Buosi, com pequenas adaptações minhas

Você estava a caminho de casa quando morreu.
Foi em um acidente de carro. Nada muito chamativo, mas infelizmente fatal. Você deixou sua esposa e duas crianças. Foi uma morte sem dor. Os paramédicos tentaram de tudo para te salvar, mas em vão. Seu corpo foi completamente destruído, você já esteve melhor, pode acreditar.
E foi aí que você me conheceu.
"O que-... o que aconteceu?" Você perguntou. "Onde estou?"
"Você morreu," eu disse, com naturalidade. Não fazia sentido conter as palavras.
"Havia um caminhão... e ele derrapou.."
"Isso mesmo," eu disse.
"Eu... Eu morri?"
"É. Mas não se sinta mal. Todo mundo morre," Eu disse.
Você olhou em volta. Não havia nada. Só eu e você. "Que lugar é esse?" Você perguntou. "Isso é o paraíso?"
"Mais ou menos," eu disse.
"Você é Deus?" Você perguntou.
"É isso ai," Respondi. "Eu sou Deus."
"Meus filhos... minha mulher," você disse.
"O que tem eles?"
"Eles ficarão bem?"
"É isso que eu gosto de ver," eu disse. "Você acabou de morrer e sua maior preocupação é a sua família. Isso é mesmo uma coisa boa."
Você olhou pra mim com um certo fascínio. Pra você, eu não parecia com Deus. Eu aparentava ser um homem qualquer. Ou uma mulher. Uma figura autoritária meio vaga, talvez. Mais como um professor de português do que o Todo Poderoso.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Achei numa seção de comentários qualquer:

"Aconteceu em uma escola para crianças de 8 anos. Um dia, a professora disse em sala de aula às crianças que geralmente as frutas vermelhas eram saudáveis por terem muitas vitaminas. A partir deste dia, na hora de recreação das crianças, elas corriam até as fruteiras do quintal da escola e comiam as acerolas e pitangas. Percebendo este fenômeno, o menino mais problemático da turma, sempre com apetite para aprontar com os colegas, plantou um pé de pimenta vermelha e estimulou os colegas a comerem... Depois de todo o alvoroço que se seguiu com as crianças chorando e os pais indignados com tal situação, a Diretora da escola instituiu a seguinte norma: “É proibido comer qualquer fruto do quintal da escola”. Indignado, Joãzinho, o aluno mais aplicado da turma, foi até a Diretora questionar tal decisão: “Como a senhora pode nos proibir de comer todas as frutas, se existem frutas boas as quais eu conheço?”. O que a Diretora respondeu: “Nem todos são espertos como você meu filho, muitos não sabem distinguir o que é bom do que não é”. Não satisfeito, Joãzinho foi ter com sua mãe ao chegar em casa. Mas ela lhe respondeu prontamente: “Meu filho, conheço a Diretora da escola e confio muito nela, apenas obedeça”. Passado um ano do incidente, a Diretora incumbiu o jardineiro de sua confiança de fiscalizar diariamente as fruteiras de modo que nunca houvesse naquele quintal qualquer fruto que fizesse mal aos alunos. E então eliminou a antiga norma proibitiva."

Comentário de "M Falcao"
Fonte: http://padrepauloricardo.org/episodios/a-igreja-mudou-o-seu-ensinamento-com-relacao-a-pena-de-morte