quarta-feira, 3 de abril de 2013

O Ovo


Escrito por Andy Weir
Traduzido por Carlos Buosi, com pequenas adaptações minhas

Você estava a caminho de casa quando morreu.
Foi em um acidente de carro. Nada muito chamativo, mas infelizmente fatal. Você deixou sua esposa e duas crianças. Foi uma morte sem dor. Os paramédicos tentaram de tudo para te salvar, mas em vão. Seu corpo foi completamente destruído, você já esteve melhor, pode acreditar.
E foi aí que você me conheceu.
"O que-... o que aconteceu?" Você perguntou. "Onde estou?"
"Você morreu," eu disse, com naturalidade. Não fazia sentido conter as palavras.
"Havia um caminhão... e ele derrapou.."
"Isso mesmo," eu disse.
"Eu... Eu morri?"
"É. Mas não se sinta mal. Todo mundo morre," Eu disse.
Você olhou em volta. Não havia nada. Só eu e você. "Que lugar é esse?" Você perguntou. "Isso é o paraíso?"
"Mais ou menos," eu disse.
"Você é Deus?" Você perguntou.
"É isso ai," Respondi. "Eu sou Deus."
"Meus filhos... minha mulher," você disse.
"O que tem eles?"
"Eles ficarão bem?"
"É isso que eu gosto de ver," eu disse. "Você acabou de morrer e sua maior preocupação é a sua família. Isso é mesmo uma coisa boa."
Você olhou pra mim com um certo fascínio. Pra você, eu não parecia com Deus. Eu aparentava ser um homem qualquer. Ou uma mulher. Uma figura autoritária meio vaga, talvez. Mais como um professor de português do que o Todo Poderoso.
"Não se preocupe," eu disse. "Eles ficarão bem. Seus filhos lembrarão de você como um pai perfeito em todos os sentidos. Eles não tiveram tempo de sentir nada de ruim por você. Sua mulher vai chorar, mas vai ficar secretamente aliviada. Pra ser sincero, seu casamento estava desmoronando. Se serve como consolo, ela vai se sentir muito culpada por se sentir aliviada."
"Ah..." você disse. "Então o que acontece agora? Eu vou para o Céu, pro Inferno ou alguma coisa do tipo?"
"Nenhum dos dois" Eu disse. "Você vai reincarnar."
"Ah," você disse. "Então os hindus estavam certos,"
"Todas as religiões estão certas de alguma forma," eu disse. "Venha comigo."
Você me seguiu enquanto caminhávamos pelo vazio. "Aonde estamos indo?"
"A lugar nenhum específico," eu disse. "Só gosto de andar enquanto conversamos."
"Então que sentido isso faz?" Você perguntou. "Quando renascer, eu vou esquecer tudo, não é? Um bebê. Então todas as minhas experiências e tudo que fiz nessa vida não significaram nada."
"Calma, não é por aí!" Eu disse. "Você tem dentro de você todo o conhecimento e experiências de todas as suas vidas passadas. Você só não lembra dessas coisas agora."
Eu parei de andar e coloquei as mãos em seus ombros. "Sua alma é mais magnífica, linda e gigantesca do que você possa imaginar. Sua mente humana pode apenas entender uma pequena fração do que você é. É como colocar o seu dedo em um copo de vidro e ver se está quente ou frio. Você coloca uma pequena parte de você em jogo, e quando tira, você percebe que aprendeu tudo que podia por lá.
Você foi um humano nos últimos 48 anos, então ainda não deu tempo de você perceber o resto da sua imensa consciência. Se nós ficarmos aqui por muito tempo, você começará a lembrar de tudo. Mas não faz sentido fazer isso todas as vezes."
"Quantas vezes eu já reencarnei, então?"
"Ah, muitas. Muitas e muitas. E em muitas vidas diferentes." Eu disse. "Dessa vez, você será uma camponesa chinesa no ano 540 D.C."
"Es-espera aí, como?" Você gaguejou. "Você está me mandando de volta no tempo?"
"Bem, tecnicamente. Tempo, da forma como você conhece, só existe no seu universo. As coisas funcionam de outro jeito de onde eu venho."
"De onde você vem?" Você disse.
"Ah claro," eu expliquei "Sim, eu venho de algum lugar. Um lugar diferente. Tem outros como eu. Eu sei que você quer saber como é lá, mas honestamente, você não iria entender."
"Ah," você disse, um pouco desanimado. "Mas espera. Se eu reencarno em diferentes momentos no tempo, eu poderia ter interagido comigo mesmo alguma vez."
"Claro. Acontece o tempo todo. E já que as duas pessoas tem apenas consciência da sua própria vivência, você nunca sabe que está acontecendo."
Você ficou pensativo.
"Então, qual é o sentido?"
"Você tá falando sério?" Perguntei. "Sério? Você está me perguntando o sentido da vida? Isso não meio clichê?"
"Bem, é uma pergunta justa," você persistiu.
Eu te olhei nos olhos. "O sentido da vida, motivo pelo qual eu criei todo o seu universo, é para que você amadureça."
"Você tá falando da humanidade? Você quer que a gente amadureça?"
"Não, somente você. Eu fiz todo esse universo para você. Para que em cada nova vida você cresça, amadureça e se torne um intelecto maior."
"Só eu? E as outras pessoas?"
"Não há mais ninguém," eu disse. "Nesse universo, só existe você e eu."
Você me olhou com um olhar vazio. "Mas e todas as pessoas da Terra..."
"Todos são você. Diferentes encarnações de você."
"Quê? Eu sou todo mundo?"
"Agora você está entendendo, "Eu disse, te dando uma tapinha nas costas.
"Eu sou todo ser humano que já viveu?"
"Ou quem ainda irá viver, sim."
"Eu sou Abraham Lincoln?"
"E você é John Wilkes Booth, o homem que o assassinou, também," completei.
"Eu sou Hitler?" Você disse, horrorizado.
"E também é os milhões que ele matou."
"Eu sou Jesus?"
"E também é todos que o seguiram."
Você ficou em silêncio.
"Toda vez que você enganou alguém," eu disse, "você estava enganando a si mesmo. Cada ato de bondade que você teve, foi feito para consigo mesmo. Cada momento feliz e triste que você teve com qualquer pessoa foi, e será, aproveitado com você."
Você ficou pensando por um longo tempo.
"Por quê?" Você me perguntou. "Por que fazer tudo isso?"
"Porque algum dia, você será como eu. Porque é isso que você é. Você é um dos meus. Você é meu filho."
"Nossa," você disse, incrédulo. "Quer dizer que sou um Deus?"
"Não, ainda não. Você é um feto. Você ainda está crescendo. Quando tiver vivido todas as vidas humanas em todas as eras, você terá crescido o suficiente para nascer."
"Então todo o universo," você disse, "é somente..."
"Um ovo." Respondi. "Agora é hora de você ir para sua próxima vida."
E eu enviei você de volta.

Fonte: http://www.galactanet.com/oneoff/theegg_pt-br.html

O Ovo

Eu li esse texto pela primeira vez já faz algum tempo. Um texto sobre uma pessoa que morre e se encontra com Deus, e ao conversar com Deus descobre uma coisa muito importante sobre si: essa pessoa é a única pessoa que existe no universo, além de Deus. Essa pessoa - essa alma, mais precisamente - é o motivo pelo qual o universo existe. Essa única alma, reencarnada bilhões de vezes, é todas as pessoas que já viveram no planeta Terra. Quando viva, todas as pessoas que ela encontrava eram ela mesma - ela só não sabia disso. Todos os seus amigos e inimigos; todos os ricos, os miseráveis e os felizes. Sempre que fazia algo de ruim para alguém, ela estava fazendo algo de ruim para si mesma.
Essa alma, que depois de reencarnar quantas vezes fosse necessária, teria passado por todas as situações possíveis. Teria vivido todos os conflitos de todos os pontos de vista, e teria estudado e aprendido e descoberto coisas em todas as áreas do conhecimento. Essa alma teria adorado e odiado as mesmas bandas, e teria participado dessas mesmas bandas. Essa alma escreveu as poesias que se tornariam as suas preferidas, e essa alma deu a si todos os conselhos que precisava.
Essa alma leu todos os livros e observou todas as paisagens que já foram vistas por alguém. E ao ter todo esse conhecimento, todos esses sentimentos, toda essa experiência, essa alma então se tornaria muito mais do que uma mera alma. Essa alma, depois de ter absorvido todo o conhecimento - na prática e na teoria - então se tornaria Deus.

Não temos como mudar o passado. As pessoas que já morreram viveram as suas vidas antes mesmo de nós começarmos as nossas. Suas felicidades e suas tristezas já estão escritas a ferro e fogo na história do planeta. Mas podemos mudar as vidas das pessoas que vivem no presente. E assim, nós podemos mudar as vidas das pessoas que vão viver no futuro. Nós temos esse poder. E se queremos ser felizes nas reencarnações que estão por vir, temos que fazer algo de bom pelo nosso mundo. Qualquer coisa vale. Qualquer coisa que vá fazer mais bem do que mal vale. Vale, e é necessária. É essencial. Pois, se nós somos todas as pessoas que já passaram por essa Terra, nós fizemos dessa Terra o que ela é. E podemos continuar fazendo. Aproveite essa vida, a única oportunidade que você vai ter (porque na próxima você não vai se lembrar que já teve outra). Faça algo de bom pelos outros, que são você.

E, se você não acreditar nessa história curta, não faz mal. Faça algo de bom mesmo assim. Se não por você, pela humanidade. Tenha fé na humanidade. Tenha fé em você mesmo. Aproveite essa vida, e faça algo de bom pela próxima que está por vir.
Mateus Figueiredo

Nenhum comentário:

Postar um comentário