sexta-feira, 21 de agosto de 2015

o que eu to fazendo com a minha vida, e o que eu tenho que fazer com ela

será que a minha vida é colecionar bons momentos? deixar a biografia interessante e cheia de histórias legais e boas ideias do que fazer. como se fosse uma lista, e eu tenho que ir ticando os pontos que eu já fiz
será que a vida é contribuir com a humanidade de alguma maneira? como se todas as pessoas e o universo estivessem ansiosos para ver o que eu tenho a produzir. apenas aguardando para ver o que sai da minha cabeça e das minhas mãos

será que a minha vida é deixar os outros mais felizes? porque o universo com certeza se importa se o vizinho está mais ou menos chateado
será que a vida é terminar da melhor maneira possível? acumular dinheiro e morrer cercado de familiares e amigos. eu não vivencio o passado com a mesma força que eu vivencio o presente. se o meu último presente for ser o meu leito de morte, talvez seja o leito de morte que deva ser o melhor momento de todos
será que quando eu morrer eu assisto um filme da minha vida? espero que sim. espero poder reviver cada emoção e lembrar de cada detalhe. mas será que a minha biografia é tão importante assim?
talvez a vida seja ultrapassar a vida. minha imortalidade depois que eu morrer. mas também, será que precisamos de mais uma pessoa imortal? mais um nome de autor na lista da biblioteca? e se minha imortalidade for o bem que eu fizer para os outros. precisamos de vizinhos mais felizes?

se a única coisa que importa é o último momento da vida, talvez eu devesse virar palhaço em asilo. mas parece que as pessoas idosas se lembram muito mais da infância do que da vida adulta. então vou ser palhaço de festa de aniversário. mas e se o adulto não se lembrar dessa festa. será que a vida é ser lembrado?

vou finalizar. a vida é fazer as coisas. porque não fazer é pior.

(Escrito em 22 de março de 2015)